XXIX Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus

A XXIX edição dos Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus decorre entre os dias 13 e 24 de Agosto próximos. Sob a direção artística de Ricardo Bernardes e a direção pedagógica de António Carrilho, um conjunto notável de professores e alunos vindos de todas as partes do mundo transforma a paisagem propícia de Mateus num dos lugares centrais para o estudo e o exercício da música antiga e barroca em todo o mundo.

María Cristina Kiehr, a soprano argentina que, na edição de 2018, tocou os alunos com a sua capacidade de transmissão, volta a dar o tom a um elenco de professores em que se destacam ainda o cravista Jacques Ogg, o violinista Enrico Gatti ou o oboísta Fabio D’Onofrio. A Jornada Musicológica, a realizar no dia 17 de Agosto, completa o programa com uma reflexão sobre o ensino contemporâneo da música antiga e sobre o lugar da música barroca ibero-americana na formação do cânone musical europeu.

Os fins de tarde dos Encontros serão preenchidos com uma agenda de concertos abertos que fará regressar a Orquestra Barroca de Mateus, com um programa centrado na produção musical setecentista em Portugal e na Galiza; que nos trará pela primeira vez o Ensemble Hotteterre, residente na também galega Fundação Vicente Risco e dirigido por Paulo Gonçalves; que nos proporcionará o prazer da escuta do duo formado por António Carrilho e Diego Fernández; que fará professores e alunos desdobrar-se em concertos e recitais que nos revelam um repertório plural e a excelência do trabalho desenvolvido ao longo dos dez dias.

A XXIX edição dos Encontros propõe ainda aos seus participantes um concurso para Residência Artística, que permitirá o desenvolvimento de um projeto na Casa de Mateus, a completar em 2020.

A primeira edição dos Encontros Internacionais de Música da Casa de Mateus remonta a 1978, sob o impulso decisivo do cravista Gustav Leonhardt, um dos primeiros mentores do movimento da interpretação historicamente informada da música antiga e barroca, e o trabalho incessante de sua mulher Marie Leonhardt, que viria a dirigir os cursos ao longo de quase uma década e meia. António Carrilho, diretor artístico, foi um dos alunos que beneficiou do ambiente de exceção que sempre marcou os verões em Mateus. Jacques Ogg, cuja primeira presença remonta a 1992, é um dos protagonistas de uma história que se mostrou determinante na afirmação e na qualificação das práticas no campo da música antiga em Portugal. Após alguns anos de interregno, os Encontros Internacionais de Música regressaram em 2018, sob a direção de Ricardo Bernardes e António Carrilho, para voltar a ocupar o seu lugar central na programação anual da Fundação da Casa de Mateus e no calendário musical português e europeu.

Menu