Uma nova visão para a região

A visão para um país regionalmente mais equilibrado e inclusivo deve ter como pilar a incorporação do conhecimento em atividades especializadas geradoras de valor. Esta estratégia exige continuar a interação do sistema científico com as empresas, o poder local e a sociedade.

Para tal, importa reforçar o caminho que tem vindo a ser seguido e manter o bom desempenho do sistema científico e de ensino superior. Senão vejamos!

O desempenho na inovação merece destaque no European Innovation Scoreboard, tendo Portugal passado do grupo de países moderadamente inovadores para o grupo dos “inovadores fortes”. 

Os dados do recente potencial científico e tecnológico nacional revelam que a despesa em I&D atingiu um novo máximo histórico em 2019, 1,4% do PIB, reforçando a tendência de crescimento registada desde 2016. Mas, temos ainda um longo percurso de convergência com a Europa e as economias emergentes, mantendo a ambição de alcançar 3% da despesa do PIB em I&D até 2030.

A Agência Nacional de Inovação anunciou que Portugal conseguiu captar 1020 milhões de euros de financiamento em projetos de investigação e inovação do programa europeu Horizonte 2020, ultrapassando a meta dos mil milhões de euros de financiamento fixada para este programa. Mas, Portugal deve manter a ambição de, no próximo quadro comunitário, duplicar este valor.

Por último, o ensino superior regista este ano o maior número de candidatos em mais de duas décadas, superando as vagas oferecidas. A elevada procura mostra o esforço das famílias com vista a uma maior preparação dos jovens, que terá resultados positivos na crescente qualificação da população portuguesa e, seguramente, no desenvolvimento do país. Mas, Portugal precisa de reforçar os apoios de natureza social, para evitar o abandono escolar por motivos de natureza financeira decorrentes da pandemia.

A atração e retenção de população e, logo, de talento para a região, na qual a UTAD tem um papel determinante, é vital para criar condições competitivas de investimento baseadas na produção, aplicação e valorização de conhecimento, de forma a alcançar uma estratégia de desenvolvimento regional integrado e coesivo.Fontainhas Fernandes, Reitor da UTAD

Menu