Quatro anos depois de regressar com um novo formato e após ter apresentado programas avassaladores nas últimas edições, o Rock Nordeste está de volta para o quinto ano. A 15 e 16 de junho, sexta e sábado, respetivamente, os melhores nomes da música portuguesa apresentam-se no Parque Corgo, margem esquerda do Rio Corgo, e no Auditório Exterior do Teatro de Vila Real.

Como novidade para a quinta edição, o festival introduz a música lusófona no programa, apresentando também agora nomes que fazem parte do universo musical português. A entrada é livre e oferece dois dias repletos da melhor música que se faz no país e em países que compartilham a língua e a cultura portuguesa.

Ninguém melhor que Bonga para a estreia do festival Rock Nordeste no universo lusófono. Bonga é um ícone vivo da cultura Angolana, referência incontornável do semba, música de onde partiu como compositor e vocalista para com um carisma, uma abertura de espírito herdeira do passado da rebita, da vibrância dos antigos Carnavais, da efervescência artística dos musseques de Luanda dos anos 50, edificar um património cultural e político fundamental na história dos últimos 40 anos de Angola e da diáspora africana lusófona. Numa colaboração única para o festival, os portugueses First Breath After Coma juntam-se aos mais de 50 músicos da Banda de Música de Mateus, banda filarmónica vila-realense com mais de dois séculos de história. “Drifter”, o mais recente disco da banda de Leiria, será o ponto de encontro para um espetáculo absolutamente único e que fará as honras de abertura da edição de 2018 do festival.

O festival Rock Nordeste levou, nas quatro edições anteriores, mais de 72 mil pessoas à relva do Parque Corgo, motivadas para ouvir o melhor da atualidade da música moderna portuguesa. Pelo evento de música, ao longo das quatro edições, passaram quase quatro dezenas de artistas portugueses, onde se destacam nomes como Orelha Negra, The Legendary Tigerman, Mão Morta, Linda Martini, Capicua ou Dead Combo, entre muitos outros nomes da linha da frente da música nacional.

Deixe o seu Comentário

Comentário