Quintas do Douro: Quinta de La Rosa, um leque de sensações durienses

A Quinta de La Rosa está na família de Sophia Bergqvist desde 1906, situa-se junto ao Pinhão, na margem direita do rio Douro com uma vista direta para o mesmo a cerca de 400 metros de altitude. Nos seus 55 hectares, tem aproveitado o espaço ao máximo para poder oferecer serviços de qualidade aos amantes do Douro. De facto, esta quinta com vista privilegiada para o Douro possui duas casas independentes, com piscina privada, sem esquecer a quinta central que, após a última reconversão de 2017, alberga 12 quartos e 4 suites. Uma aposta no turismo que, segundo a proprietária, está a ter muito sucesso: “A aposta no Enoturismo está a correr muito bem, é incrível.

Eu acho que Portugal está na moda e a região do Douro está a aproveitar muito isso. Os nossos negócios do turismo acho que aumentaram nos últimos cinco anos. O que eu acho interessante é que as pessoas estão a procurar férias um pouco diferentes. Não é só ir à praia. Agora estão interessadas nos vinhos, na cultura, nas caminhadas pelas vinhas. O Douro está a mudar muito e acho que, no geral, é para o melhor. O turismo traz muitos benefícios, pois, agora, não é só o Vinho do Porto que é conhecido, os vinhos do Douro também”, adiantou Sophia Bergqvist.

Para além dos quartos com vista para o rio e para as vinhas, em maio de 2017, em homenagem a Claire Feuerheerd, avó da responsável, foi inaugurado o restaurante “Cozinha da Clara” um local onde se podem provar os sabores do Douro acompanhados de um bom vinho.
Falando em vinhos, a Quinta de la Rosa dispõe de uma vasta gama, sendo algumas das suas referências o “La Rosa Branco”; o “Tim Grande Reserva Branco”, o “Vale do Inferno Tinto” e os vinhos de consumo. Vinhos que têm surpreendido os enólogos franceses pela sua frescura: “Os nossos vinhos de consumo também foram uma grande surpresa, principalmente para os visitantes de Bordeaux. Tínhamos muitos enólogos dos grandes Chateaux que ficaram surpreendidos com os nossos vinhos e com a qualidade dos mesmos”, contou Sophia Bergqvist.

Apesar do vinho ser um sucesso, a quinta apostou, também, na criação de vinagres e azeites do Douro, criando, também, uma cerveja artesanal: “A cerveja foi um projeto do meu irmão que contou com a ajuda do meu filho Kit e do nosso enólogo, Jorge Moreira. Hoje, está a sair bem. Tínhamos alguns problemas de engarrafamento porque é completamente diferente daquele do vinho, mas estamos a chegar lá e vamos continuar a fazer investimentos.”

Brevemente, será criado um novo espaço de prova, um lugar que, segundo a proprietária, terá uma surpresa: “Estamos a fazer uma nova sala de prova porque já não temos espaço para as nossas visitas. Essa sala, vai situar-se por cima do nosso armazém com uma pequena surpresa”.

Ouça aqui o podcast da Universidade FM:

Partilhar:

Menu