Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Vila Real em exposição

Foi inaugurada, na passada segunda-feira, nos claustros do antigo governo civil (Palacete do Conde de Amarante) a exposição relativa ao Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Vila Real. Um conjunto de telas em que estão apresentados todos os planos das intervenções nos espaços urbanos da cidade.

Com um investimento de cerca de 17 milhões de euros, este é “o maior investimento simultâneo na zona urbana de Vila Real” que, segundo o presidente da Câmara Municipal de Vila Real, “permitirá resolver vários problemas estruturais”.

Recorde-se que estavam incluídas neste plano a Avenida D. Dinis e a Rua Santo António, às quais se juntam as obras a decorrer em Montezelos, estando, ainda, por iniciar a requalificação da zona do quartel, a via clicável, a Avenida Carvalho Araújo, os bairros sociais, entre outros. “Após décadas em que as cidades estiveram voltadas quase exclusivamente para o automóvel, ignorando por completo os direitos dos peões, os modernos paradigmas de gestão urbana apontam para a devolução das cidades às pessoas através da requalificação dos espaços de utilização pública, tornando-as mais inclusivas. Para isso é necessário existirem espaços públicos adequados que permitam aos cidadãos circular livremente”, explicou Rui Santos.

Relativamente à intervenção na Avenida Carvalho Araújo, o presidente adiantou que se o executivo municipal sentisse “que este era um mau projeto para Vila Real ele não avançava”, acrescentando que entende a resistência à mudança, mas que esta requalificação é necessária por questões de mobilidade. “Haverá quem goste tanto de Vila Real como eu e o restante executivo municipal, mas ninguém gosta mais deste concelho do que nós. É natural que quem sempre conheceu assim a avenida tenha uma certa ligação emocional a esta configuração, mas consideramos que, hoje, a avenida, apesar da sua beleza própria, não é funcional”.

Notícia completa na edição nº671, já nas bancas.

Menu