“Lugar Comum”: Fundação da Casa de Mateus desenvolve projeto pioneiro

Vila Real

Nos próximos dias 28 e 29 de novembro, a Fundação da Casa de Mateus vai organizar um encontro designado “Diálogos entre cultura, território e literatura” cujo convidado principal é Jorge Barreto Xavier.

Jorge Barreto Xavier, que já foi Secretário de Estado da Cultura entre 2013 e 2015, é atualmente Diretor Municipal de Educação, Desenvolvimento Social e Cultura do Município de Oeiras.

No dia 28 de novembro, pelas 21h, Jorge Xavier Barreto vai estar no Conservatório Regional de Música de Vila Real, para participar numa conferência que será também uma oportunidade para debater o tema “Cidade, Lugar Comum”, tendo o cidadão como centro das políticas de território. O debate será moderado por Teresa Albuquerque, da Fundação da Casa de Mateus, e Adriano Sousa, Vereador do Ordenamento do Território e do Urbanismo, da Autarquia de Vila Real. Numa altura em que Vila Real  apresenta o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, este é um tema de discussão ainda mais relevante, refere Adriano Sousa: “É com particular satisfação que nos associamos à iniciativa da Fundação da Casa de Mateus de realizar esta conferência e de escolher tão distinto orador para nos vir falar de cultura, de cidadania e da importância de elegermos o cidadão como principal destinatário das políticas urbanas. O município de Vila Real está apostado em devolver a cidade às pessoas, através da valorização do espaço público, das infraestruturas de uso comum, da pedonalização dos trajetos e do incentivo à utilização dos modos de transporte mais sustentáveis, de modo a propiciar o aparecimento de espaços públicos mais povoados e diversificados, caracterizados por elevados padrões de convívio.”

No dia 29 de novembro, na Residência de Artistas da Casa de Mateus, Jorge Barreto Xavier vai usar a sua experiência como responsável pela criação e gestão de projetos culturais plurais e estruturantes, tanto a nível pessoal como de responsabilidade pública, para dirigir uma oficina de gestão cultural dirigida a todos aqueles que na região estão envolvidos em projetos culturais e artísticos e também a representantes de instituições locais com responsabilidade no desenvolvimento e concretização de políticas culturais.

A literatura é um dos talentos plurais de Jorge Barreto Xavier, por isso o dia 29 de novembro termina com a apresentação do livro do autor, “Alexandria”, publicado em 2017. Um livro de contos que recupera a tradição dos diálogos filosóficos na construção de uma possível arte do conhecimento. A apresentação decorrerá pelas 18h30, também na Residência de Artistas, na Casa de Mateus.

Lugar Comum, um projeto pioneiro

Esta iniciativa “Diálogos entre Cultura, Território e Literatura”, da Fundação da Casa de Mateus, insere-se no “Lugar Comum”, um projeto que está a decorrer na Fundação e que tem como objetivo a capacitação das equipas e funcionários da própria Fundação. Para Teresa Albuquerque, da Fundação da Casa de Mateus este “Lugar Comum” surge como uma oportunidade única para todos os funcionários da Fundação e, consequentemente, para a relação da Instituição com a própria cidade: “É um projeto que podemos construir de raíz, e em conjunto, a partir da percepção daquilo que é o capital humano atual da Fundação, baseado numa ideia partilhada daquilo que a Instituição significa na comunidade, e na sua relação com os funcionários.” O projeto “Lugar Comum” teve início em julho de 2019, com o seminário “O Futuro do Passado” e termina em janeiro de 2021. “O objetivo é que no final dos 18 meses que dura o projeto, cada um se sinta mais rico e mais capaz de desenvolver as suas tarefas quotidianas. E, se possível, que se inventem novas tarefas que possam contribuir para um melhor serviço público por parte da Fundação da Casa de Mateus, dentro do espírito das suas missões estatutárias e daquilo que chegarmos à conclusão que podemos trazer de único para a comunidade onde nos inserimos, para este lugar comum que todos partilhamos”, refere Teresa Albuquerque.

O projeto “Lugar Comum” é co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do programa Oficinas do Conhecimento.

Menu