Lançada empresa intermunicipal: Águas do Interior Norte

Vila Real

Os claustros do ex-governo civil (palacete do conde de Amarante) receberam, na passada sexta-feira, dia 15 de novembro, a cerimónia de lançamento da nova empresa intermunicipal de distribuição de água e tratamento de águas residuais: a Águas do Interior Norte (AsIN), uma entidade que agrega oito municípios (Freixo de Espada à Cinta; Mesão Frio; Murça; Peso da Régua; Sabrosa; Santa Marta de Penaguião; Torre de Moncorvo e Vila Real) e que será responsável pela gestão delegada dos serviços de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais.

Segundo Carlos Silva, vereador responsável pela EMAR de Vila Real, os objetivos desta nova empresa, em que a EMAR se irá fundir, pretendem resolver um conjunto de falhas já observadas anteriormente nos vários municípios, nomeadamente, falhas de abastecimento, problemas de qualidade da água, elevado número de água não faturada (perda de água), elevado número de avarias, infraestruturas degradadas, ineficiência energética, baixo nível de resposta a reclamações, etc. Por conseguinte, os objetivos estratégicos passam pela melhoria da qualidade da água, redução da percentagem de água não faturada e redução do número de falhas. Metas que visam assegurar a sustentabilidade económica e estrutural do sistema, aumentando a qualidade dos serviços. Tudo isto “a um preço justo”. “A empresa que agora criamos conta com um sentimento unânime de que as realidades existentes no setor das águas nos diferentes municípios e as exigências quanto à distribuição e gestão deste bem essencial não se coadunam mais com instituições individuais municipais”, salientou Carlos Silva. 

Por sua vez, Rui Santos, presidente da Câmara Municipal de Vila Real, defendeu que a criação desta entidade intermunicipal é uma decisão estratégia para a região que ilustra a capacidade e o conhecimento que pode haver nos territórios de baixa densidade. Para além disso, aproveitou o momento para lançar um apelo a João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e Ação Climática, relativamente aos apoios fornecidos pelo ministério, apoios comunitários indispensáveis à empresa intermunicipal: “Apelo a que as políticas que têm vindo a ser seguidas pelo ministério que vossa excelência tutela se mantenham. Temos sentido apoio para estas questões e gostaríamos de continuar a usufruir do mesmo”.

Presidente vila-realense alerta para relação de desconfiança entre a Águas do Norte e a nova empresa intermunicipal 

Na segunda parte da sua intervenção, Rui Santos alertou o ministro do Ambiente e da Ação Climática para “a relação de desconfiança” que existe entre a Águas do Norte e a Águas do Interior Norte. Uma situação que, para Rui Santos, “poderá minar um futuro risonho entre duas entidades”.  

CR

Notícia completa na Edição nº 691, já nas bancas.

Menu