Greve Mundial Escolar pelo Clima: Estudantes saem à rua

No âmbito da Greve Mundial Escolar Pelo Clima, alunos do secundário e universitários saíram às ruas de Vila Real, na passada sexta-feira, dia 15 de março, para alertar o mundo e o país relativamente ao problema das alterações climáticas. Uma iniciativa que foi inspirada no movimento “Sextas-Feiras pelo Futuro”, criado pela adolescente Greta Thunberg, uma jovem de 15 anos portadora da síndrome de Asperger, que todas as sextas-feiras, desde o verão passado, manifestava, sozinha, à frente do parlamento de Estocolmo com um cartaz onde se podia ler “greve escolar pelo clima”.

Graças a esta ação, a mobilização reuniu milhares de alunos em cerca de 100 países, incluindo-se nestes Portugal com cerca de 26 cidades a participar na manifestação, a gritar pela proteção do Planeta.

A cidade de Vila Real não ficou de parte e a praça do município preencheu-se com os alunos das várias escolas e da Universidade de Trás-os-Montes (UTAD). Na multidão, ressoavam os gritos “Vila Real sai à rua, a luta continua” e “Terra a morrer, políticos a ver”, enquanto se viam cartazes levantados com mensagens como “Porquê ir para a escola, se não temos futuro?”, “SOS”, “Parem de matar a terra”, entre outros.

Nádia, presidente da Associação de Estudantes da Morgado Mateus, esteve presente com os seus colegas na greve. Uma tomada de posição que, segundo ela, tem como objetivo alertar o Governo para esta problemática: “Os políticos têm de ver a situação em que se encontra o nosso mundo e o país em si. Todos têm de se unir por uma causa que é o bem-estar da sociedade, do país e do mundo”, adiantou a jovem, acrescentando que a escola saiu à rua para “se fazer sentir” e ouvir.

Alguns alunos da UTAD não ficaram de braços cruzados e também foram participar neste movimento de impacto mundial. Foi o caso de Joana, estudante universitária, que participou porque, segundo ela, as alterações climáticas são uma realidade sobre a qual uma grande parte da população não tem noção. “Estamos aqui para chamar a atenção das pessoas à cerca disso e para exigir aos governos que considerem as alterações climáticas uma realidade, tomando medidas nesse sentido”, declarou.

Partilhar:

Menu