Fundação da Casa de Mateus promove seminário “transições”

Vila Real

“Transições” é o nome do próximo seminário organizado pela Fundação da Casa de Mateus, que vai decorrer entre os dias 14 e 16 de janeiro. O nome não foi escolhido por acaso, tendo em conta o programa transversal que abrange as áreas do urbano e rural, as tecnologias e a ecologia.

À entrada de 2020, Teresa Albuquerque, da Fundação da Casa de Mateus, justifica a escolha do nome: “Mesmo a título pessoal, as coisas estão a mudar muito depressa. Não sabemos muito bem para onde vamos… a transformação digital está apenas no início, e, certamente, num futuro muito próximo vai alterar a forma como vivemos. A transição ecológica é uma das grandes preocupações. Procuraremos uma reflexão prática sobre como se encontram soluções para o futuro, uma nova abordagem para o ambiente sobre todos os pontos de vista. Na verdade, a realidade mostra-nos diariamente que a oposição entre Homem e Natureza nos conduziu a formas de relação que não são sustentáveis. Daí que o título “transições” seja o mais adequado para estes três dias de trabalhos”.

No dia 14, nos Claustros da Câmara Municipal de Vila Real, às 21h00, o geógrafo Álvaro Domingues fará uma conferência/debate sobre “Paisagem, entre o urbano e o rural”. Segundo o geógrafo e professor na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, “rural e urbano são adjetivos que carregam consigo imaginários que possuem tanto de claro e cristalino, como de completa confusão; além do mais, são pólos opostos de uma suposta dicotomia. Há quem pense também que essa dicotomia já não existe. É mais que suficiente para começar um serão”.
A introdução ao tema será feita por Alfons Cornella, do Institute of Next, de Barcelona, e a moderação ficará a cargo do Vereador do Urbanismo da Câmara de Vila Real, Adriano de Sousa, e de Teresa Albuquerque, da Fundação da Casa de Mateus. A conferência será antecedida, às 19h00, pela inauguração da exposição “Lugar Comum”, também nos Claustros dos Paços do Concelho, com curadoria dos arquitetos Joaquim Moreno e Ivo Poças Martins.

O dia 15 será dedicado à tecnologia. Da parte da manhã, na Casa de Mateus, António M. Cunha, Presidente do DTX – Digital Transformation Co-Lab, da Universidade do Minho, fará uma abordagem mais conceptual dos principais domínios tecnológicos associados à transição digital, em “Tecnologia: Impactos e Perspectivas”. À tarde, Fernando de la Rosa, da Foxize School, encarregar-se-á de uma parte muito mais prática, essencialmente direcionada às empresas, onde serão trabalhados exemplos práticos sobre o impacto que as tecnologias têm nos negócios e na forma atual de trabalhar.

No dia 16 de manhã, também na Casa de Mateus, Jonathan Minchin, do Instituto de Arquitectura Avançada da Catalunha, irá conduzir-nos pelos caminhos da transição ecológica em “Ecologia: a Procura da Sustentabilidade”, numa sessão que reflete sobre os códigos em que exprimimos a nossa relação com o planeta, tendo em conta a biodiversidade, o ensaio de formas de autossuficiência e a utilização de tecnologias para uma relação leve com o ambiente.

Todas estas ações estão inseridas no “Lugar Comum”, projeto de formação e investigação que parte do universo da Casa de Mateus para questionar as novas formas de gestão dos patrimónios materiais e imateriais, mas também do património natural e do seu valor matricial, ou ainda da ação cultural implicada num território e numa comunidade alargada. O projeto teve início em julho 2019 e prolongar-se-á até ao primeiro trimestre de 2021, com um plano de formação/ação aberto à equipa da Fundação e a toda a comunidade e com um conjunto de iniciativas transversais, entre novos seminários, ciclos de conferências, exposições e publicações.

Menu