Festival de Street Art regressou a Vila Real

O “Pitoresco 2019”, Festival de Street Art de Vila Real, inclusivo, gratuito e aberto à comunidade, vai já na sua 4ª Edição. Este ano, surgiram cinco novos murais, nesta inovadora galeria a céu aberto da nossa cidade, perfazendo um total de 26 trabalhos, com forte ligação às tradições e cultura de Vila Real e região transmontana.

Produziram-se diversas criações: Mon Devane que homenageou os Bombeiros; Godmess a evocar a Estrada Nacional 2; Neku que mostrou a Lontra pescadora; Draw e Contra a continuar a “Rua dos ofícios”, com a tecedeira.

O quinto mural foi um novo projeto do Pitoresco 2019, onde, pela primeira vez, alargou o festival a outras zonas do concelho de Vila Real, levando, desta forma, as intervenções artísticas, para fora da cidade. Este primeiro mural foi pintado em Ludares, sob o tema “A Pastorícia”, sugerido pelo presidente da União de Freguesias de Constantim e Vale de Nogueiras. A ideia será, nas próximas edições do festival, pintar um mural, em distintas freguesias do concelho de Vila Real, com um tema que represente as tradições e cultura dessas mesmas localidades e à semelhança do que se tem vindo a fazer, com a União de Freguesias de Vila Real.

O Pitoresco é um festival que tem servido de palco para valorizar e projetar artistas da cidade e esse investimento é cada vez maior. Das seis exposições que teve o festival, três delas foram de artistas e ilustradores locais, assim como um dos murais e as instalações da “Rua das Artes”, realizada na zona da Vila Velha e que este ano ganhou muito mais força, pois além do Sunset, festival de estátuas vivas, oficinas livres, e outras atividades, houve o lançamento do projeto “Mutante Galery”, que apresentou um novo formato de galeria e espaço de exposição. A aposta na proximidade e na envolvência com a comunidade é, também, um dos fatores de crescimento do Pitoresco, pelo que voltou a ter ilustradores, alunos e ex-alunos da Escola Camilo Castelo Branco, a participar na iniciativa “Arte nas Montras” e “Arte fora da caixa”, onde as lojas do centro histórico e caixas de luz da EDP ganharam uma nova vida, dialogando diretamente com a população.

De referir que as sinergias criadas com os diversos agentes culturais e económicos da cidade e com os imprescindíveis parceiros de sempre, são fatores essenciais para o crescimento do festival. A título de exemplo, salienta-se o Museu da Vila Velha e o seu festival de Estátuas Vivas e o Teatro de Vila Real, que trouxe a performance de dança “Invisible Wires”.

Pela quarta vez, a parceria entre a Instantes Mutantes e o Município de Vila Real trouxe à cidade e à região arte, diversão, cor e muita, muita experimentação, de uma forma Pitoresca.

Partilhar:

Menu