CDU entregou a lista às legislativas

O CDU de Vila Real entregou, esta segunda-feira, a sua lista às eleições legislativas, no Tribunal de Vila Real. Neste ato oficial, Manuel Cunha, o cabeça de lista, afirmou que esta campanha eleitoral trará sobre a mesa “assuntos que ao longo destes anos têm estado na linha da frente das preocupações da CDU e das preocupações da população de Trás-os-Montes”. Assuntos que passam pela agricultura com a questão da Casa do Douro, “com a concretização do impulso que agora foi dado, com a recuperação e apoio à agricultura familiar de montanha com um plano que permita, na realidade, valorizar as florestas, fixar as populações e reduzir o risco de incêndios”, salientou o cabeça de lista, acrescentando que, nos serviços públicos, a sua atenção está voltada para a “inversão de um processo de desinvestimento no serviço nacional de saúde”. “É inevitável que haja muito investimento nos próximos tempos, é inevitável que se olhe para os profissionais do serviço nacional de saúde e se perceba que eles têm que ser motivados, que as carreiras dos técnicos de saúde, dos enfermeiros, dos assistentes técnicos, dos médicos têm que ser recuperadas e reforçadas; que os direitos dos doentes têm de estar reforçados, mas que nada disto funciona se os profissionais do SNS não estiverem motivados e nada disto funciona sem um fortíssimo investimento público”.

Manuel Cunha frisou ainda que um dos temas que estará em cima da mesa está relacionado com os transportes públicos. Área que necessitam um reforço por parte dos autarcas, das Comunidades Intermunicipais e do governo, de forma a permitir melhorar a qualidade de vida das pessoas, a mobilidade, combater o isolamento e a poluição.

Quanto às espectativas para estas eleições, Manuel Cunha, refere que “a CDU nunca pautou a sua atuação política e a sua campanha em manobras eleitorais e demagógicas, nunca deixando de apresentar as suas propostas de forma transparente”. “É verdade que, nas últimas eleições para a assembleia da república, a CDU não teve uma grande expressão eleitoral, mas também é verdade que a história recente em diversos países, e mesmo em Portugal, nos ensina que os impossíveis existem, portanto, o nosso desafio é que (…) ouçam as opiniões e os debates porque estamos convencidos de que quanto mais informadas as populações estiverem, maior expressão eleitoral tem a CDU”, frisou o cabeça de lista, frisando que “nenhum voto ma CDU é desperdiçado porque dá força a um projeto nacional, porque dá força a um projeto distrital de mudar o país para melhor em defesa dos trabalhadores e do povo”. 

A seguir a Manuel Cunha, cabeça de lista, está Júlia Violante; em terceiro, Gabriela Mesquita; em quarto, José Fernandes, e, em quinto, Ana Paula Simões. 

Por fim, como suplentes, estão António Serafim, Paulo Figueiredo, Filomena Berta, Diamantino Silva e Vítor Carvalho. O mandatário é Frederico Neves.

CR

Menu