A segunda edição do Algures a Nordeste, festival de dança contemporânea de Trás-os-Montes, decorre de 8 a 29 de Setembro em Vila Real e Bragança.

Depois de uma estreia auspiciosa em 2017, o Algures a Nordeste apresenta de novo uma programação eclética e ousada no domínio da dança contemporânea portuguesa.

Victor Hugo Pontes, Paulo Ribeiro, Olga Roriz, Cláudia Martins/Rafael Carriço, Bruno Duarte e Daniel Cardoso são os coreógrafos convidados desta edição.

O diálogo com outros coreógrafos, autores, géneros artísticos ou temas humanos é um dos aspetos que merece menção neste programa. Paulo Ribeiro homenageia Jiří Kylián, coreógrafo checo e um dos nomes fundadores da dança contemporânea. Olga Roriz evoca o universo do cineasta Ingmar Bergman, por ocasião do centenário do seu nascimento, numa criação co-produzida pelo Algures a Nordeste. Victor Hugo Pontes parte da peça ‘A Gaivota’, de Tchékhov, para construir um espetáculo belo e poético. O Quorum Ballet serve-se do fado e da guitarra portuguesa (ao vivo) para falar da ‘saudade’ à moda lusitana. A Companhia de Dança de Almada lida com um outro sentimento: o medo, universal e essencial. A Vortice Dance Company sonda o universo e o futuro na companhia de astronautas, num espetáculo com uma forte componente multimédia (vídeo interativo, mapeamento de cenário).

 

Projeto para a promoção do território cultural do Nordeste

O projeto Algures a Nordeste decorre sob a égide da obra homónima de A. M. Pires Cabral e opera, através das artes performativas, em duas linhas de ação. Na primeira, procura reforçar a notoriedade do território geográfico e cultural do nordeste português com a realização de um festival de dança contemporânea que inclui algumas das melhores companhias nacionais. Na segunda, visa a divulgação de aspetos particulares do património transmontano-duriense através da produção de espetáculos originais a desenvolver por criadores emblemáticos.

Organizado pelos Teatros de Vila Real e Bragança com o apoio do Norte 2020.