23 mulheres mortas por violência doméstica em 2019

Em Vila Real, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, dia 25 de novembro, começou com um largar de cerca de 100 balões nas escadas da Câmara Municipal de Vila Real. Uma iniciativa que reuniu membros da Câmara Municipal e da Escola Camilo Castelo Branco, com o objetivo de sensibilizar os cidadãos relativamente a esta temática.

Porém, um dia e uma temática com esta importância precisavam de criar mais impacto e sensibilização. Foi o que sucedeu, nos claustros do ex-governo civil, na passada segunda-feira, com a inauguração duma exposição de campanhas de sensibilização. Um evento organizado pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) de Vila Real em parceria com o município de Vila Real e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, que reuniu estudantes, professores, forças de segurança e cidadãos, para uma iniciativa de sensibilização. 

No meio do ruído feito pelos presentes, ouviu-se um grito masculino violento, seguido do som dum estalo que, de repente, provocou um grande silêncio.  Foi assim que começou a performance dos estudantes do curso de Teatro e Artes Performativas da UTAD, provocando um grande impacto nos presentes, quer através dos gritos, quer devido aos hematomas que podiam ver-se nas personagens femininas.

“Pretende-se essencialmente contribuir para a sensibilização da comunidade em geral, dos jovens, das crianças, em especial, para a problemática da violência contra as mulheres. A prevenção e a sensibilização são fundamentais. Intervir cada vez mais precocemente junto dos nossos jovens para comportamentos menos corretos que não incluam a violência, na forma de interagir com os seus pares, faz com que o futuro de perspetive melhor”, declarou Elisa Brites, gestora da APAV de Vila Real. 

Notícia completa na Edição nº 692 já nas bancas.

Partilhar:

Menu