Sabrosa: Mais de duas centenas de pessoas na homenagem a Hermínio Monteiro

755

O Auditório Municipal de Sabrosa na tarde do último sábado encheu para acolher todos aqueles que quiseram marcar presença na homenagem pública promovida pelo Espaço Miguel Torga/Câmara Municipal de Sabrosa a Manuel Hermínio Monteiro, uma das figuras mais ilustres do concelho de Sabrosa.

Num bonito e simbólico tributo que assinalou a passagem do aniversário do seu nascimento, os artistas Rodrigo Leão e Gabriel Gomes com o projeto “Entre Nós e As Palavras”, proporcionaram um espetáculo extraordinário de música e poesia, enriquecido com as citações do declamador Miguel Borges.

As mais de duas centenas de pessoas que se associaram a esta evocação significativa ouviram também da parte da irmã do homenageado, Maria Eduarda Monteiro, e do diretor do Espaço Miguel Torga, Dr. João Luís Sequeira, elogios, sentimentos e vivências alusivos a um dos mais importantes editores culturais nacionais e obstinado defensor da poesia, com notoriedade à frente da empresa livreira “Assírio & Alvim”.

Manuel Hermínio Monteiro, além de uma invulgar intelectualidade, no seu papel de editor, deu valor a poesia portuguesa e divulgou alguns poetas menos reconhecidos criando como que uma pequena história da poesia portuguesa. Deu mais visibilidade a nomes como, Teixeira de Pas-coaes, Mário de Sá – Carneiro, Fernando Pessoa, António Patrício, Edmundo Bettencourt, Ruy Cinatti, Herberto Hélder, Casimiro de Brito, Fiama Hasse Pais Brandão, Gastão Cruz e Luiza Neto Jorge, João Miguel Fernandes Jorge, Tolentino, José Agostinho Baptista, Joaquim Manuel Maga-lhães, António Franco Alexandre, Al Berto, e António Gancho.

No seu longo curriculum algumas das muitas referências consta a sua conceção e direção da revista “A Phala” da qual se destaca: “A Phala: Um Século de Poesia (1888-1988) ”. Esteve ligado a promoção de muitas livrarias do Porto e Lisboa e participou em programas na Radio e T. Foi diretor da revista “MetropoLIS” no âmbito de Lisboa Capital Europeia da Cultura lançou a Associação Cultural Saldanha. Fora de portas, esta ligado a revista hispano-americana de poesia “ Hablar/Falar de Poesia” e teve publicações no jornal “ La Vanguardia. Mas o seu ícone foi sem dúvida a edição antologia universal “A Rosa do Mundo 2001 Poemas para o Futuro”. Considerado filho da terra em Parada do Pinhão, Manuel Hermínio Monteiro falecido em Junho de 2001 com 48 anos, quis em vida criar uma Casa da Poesia no âmbito da Associação Rosa do Mundo. Manuela Correia, viúva de Hermínio Monteiro, chegou a comprar a Quinta da Fonte em Parada de Pinhão. A própria Câmara Municipal de Lisboa e a Junta de Freguesa de Parada do Pinhão, já perpetuaram o seu nome na respetiva toponímia.

Deixe o seu Comentário

Comentário