Rallycross em Montalegre: um espetáculo do outro mundo

436

Milhares de espetadores aproveitaram o bom tempo do passado fim-de-semana e rumaram a Montalegre para vibrar com a 2ª ronda do Campeonato Mundial de Rallycross FIA de 2017 apresentado pela Monster Energy.

Foi o atual campeão do mundo Mattias Ekström, piloto sueco, que ao volante de um Audi S1 da equipa EKS, venceu a prova final no circuito barrosão, tal como já tinha acontecido na ronda inaugural realizada em Barcelona, seguido do francês Sébastien Loeb (Peugeot 208) e Johan Kristoffersson (VW Polo GTI) a terminar na última posição do pódio.

Durante o dia de sábado, nas qualificações 1 e 2, percebeu-se que os dois carros VW Polo GTI de Petter Solberg e Kristoffersson, estavam com um andamento superior e que eram os homens a bater.

No domingo também existiu algum domínio dos dois VW Polo nomeadamente na primeira semi-final, o que juntamente com o andamento dos Peugeot 208 WRX e dos Audi S1 determinou dois carros de cada uma destas três marcas para a final.

Ao ganhar a segunda semi-final o sueco iniciou a prova final no segundo posto e numa tática que surtiu o seu efeito optou por cumprir a joker-lap logo na primeira volta, deixando os dois VW a lutar entre si, tendo sido acompanhado pelos Peugeot 208 de Loeb e Timmy Hansen.

Solberg liderou desde cedo mas começou a perder andamento, talvez devido a um potencial furo. Na passagem da terceira volta e em plena linha de meta, recebeu um toque de Kristoffersson que estava notoriamente mais rápido, que provocou uma escorregadela ao norueguês e a perda de posições que se seguiu, tendo mesmo terminado em sexto lugar.

A partir daí Ekström controlou a vantagem mas não foi fácil ganhar pois na última volta teve de lutar com muita garra para resistir aos ataques de Loeb, que nunca desistiu e, ao verificar um pequeno erro daquele na última volta, tentou a passagem à entrada para a mais longa direita do traçado. Todos nas bancadas se levantaram para ver a derradeira tentativa de Loeb, com Ekström a fechar muito bem e a não deixar que a vitória lhe fugisse recebendo uma estrondosa ovação num final consagrador.

Kristoffersson perdeu algumas décimas de segundo preciosas no toque com Solberg e quando cumpriu a sua joker-lap – na sexta e derradeira volta da final – acabou por encontrar Loeb à sua frente, terminando a três décimas de segundo do francês.

Reinis Nitiss nunca interferiu com seu Audi S1 nas lutas. Cumpriu a sua joker-lap à quinta volta e terminou na quinta posição final atrás de Timmy Hansen.

Na conferência de imprensa Ekström disse: “Foi uma das mais difíceis vitórias em rallycross. Não estivemos com ritmo durante toda a qualificação, mas tu tens de lutar até ao fim. Foi isso que se provou hoje. Sou um piloto feliz por mim mesmo mas também por toda a equipa”.

O único português em SuperCars, Joaquim Santos num Ford Focus, saiu de pista na Q1 e teve problemas na Q2.

No caso dos Super1600 e no Campeonato Europeu Super1600 em que Montalegre é a primeira de seis provas, foi, mais uma vez, o dinamarquês Ulrik Linnemann que triunfou no Peugeot 208 S1600. O campeão em título de S1600, Krisztian Szabo, conquistou o segundo lugar, enquanto o letão Artis Baumanis terminou em terceiro lugar. Timur Shigaboutdinov teria terminado em segundo, mas recebeu uma penalização de cinco segundos por, na final, empurrar e ultrapassar Szabo por fora dos limites da pista. Com a penalização, acabou por fechar em quinto, atrás de Kasparas Navickas. Má sorte para os portugueses, com nenhum dos inscritos nos S1600 a conseguir lugar nas meias-finais. Mário Barbosa esteve muito perto, mas problemas no Ford Fiesta impediram-no de ficar no top 12 e, por conseguinte, na final.

 

CROSSCAR

 

Por fim, os Crosscar que proporcionaram uma final bastante animada, apesar do acidente logo à primeira volta, na última curva, antes da entrada na reta da meta, no qual Luís Almeida ficou fora de prova, com o seu Crosscar entalado no rails do circuito, depois de um toque. Mais uma vez, Pedro Rosário, em Semog Bravo, a dominar a final e a ficar com o lugar mais alto do pódio, numa prova que lhe pertenceu desde a primeira manga. O segundo e terceiro postos ficaram nas mãos de Rui Nunes, também em Semog Bravo, e Nuno Bastos em ASK. O montalegrense João Pires não conseguiu chegar à final, num fim-de-semana que não correu bem ao piloto barrosão.

Paul Bellamy, Diretor do World RX para a IMG disse no final: “Em primeiro lugar, eu gostaria de dar os parabéns à organização do Bompiso RX de Portugal – Montalegre e à Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) pelo fantástico evento.
Nos últimos 12 meses houve um trabalho muito duro construindo outra bancada, um novo Centro Médico e uma sala de imprensa maior. Mas as principais mudanças foram na melhoria das condições no paddock no seu geral. O trabalho duro definitivamente valeu a pena e vimos 25.000 fãs neste fim-de-semana. Felizmente fomos abençoados com bom tempo e a emoção fora da pista nos fãs era a crosta de gelo no topo do bolo. Nós assinamos um novo contrato de mais cinco anos com Montalegre e esperamos voltar a Portugal com o Campeonato do Mundo por muitos mais anos”.

Por fim uma palavra a todos aqueles que sabem receber bem em Montalegre e também ao Clube Automóvel de Vila Real (CAVR) pelo profissionalismo, rigor e grande mestria com que organizaram e realizaram desportivamente todo este evento.

António Viamonte (texto e foto)

Deixe o seu Comentário

Comentário