Rally de Portugal 2015 por terras da região transmontana

1035

Terminou no passado domingo mais uma edição do Vodafone Rally de Portugal, este ano totalmente disputada no norte do país, depois de 14 anos de interregno.

A prova iniciou-se na quinta-feira (dia 21) com uma super especial na pista de Lousada, passou depois por Ponte de Lima, Caminha e Viana do Castelo na sexta-feira, andou por zonas de Baião, Marão e Mondim de Basto no sábado e terminou no domingo por terras de Vieira do Minho e pelo mítico troço de Fafe.

O piloto da Volkswagen, Jari-Matti Latvala (Polo WRC), foi o vencedor desta edição. O finlandês alcançou o primeiro triunfo da temporada e encabeçou um pódio totalmente preenchido pelos Polo WRC.

Com uma série de três provas sem pontuar (Suécia, México e Argentina) Jari-Matti Latvala beneficiou da sua posição na estrada nos dois primeiros dias para andar depressa e assumir a liderança com uma vantagem que lhe permitisse controlar a concorrência na última etapa.

O líder do campeonato, Sébastien Ogier (Polo WRC), sentiu muitas dificuldades por ser o primeiro na estrada e preocupou-se em recuperar nas segundas passagens pelas especiais. Contudo, um incêndio florestal na especial mais longa do dia – Ponte de Lima – impediu-o de recuperar terreno como o francês desejava. Assim, enquanto Latvala manteve a liderança até ao final da prova, Ogier empreendeu uma importante recuperação que o fez subir do sexto lugar até ao segundo, posição em que terminou.

O vencedor do Rally da Argentina Kris Meeke (Citroen DS3 WRC) e Andreas Mikkelsen, que pela primeira vez pilotou o Polo WRC com as últimas especificações, protagonizaram uma luta intensa pelo pódio. Mas no último dia de prova, o britânico não foi capaz de suster os ímpetos do norueguês, que acabou na terceira posição final.

No final, Jari-Matti Latvala festejava de forma exuberante e, quando falou, não deixou de suspirar de alívio. “Com o que aconteceu nos últimos três ralis, ninguém pensava que eu conseguia voltar (aos bons resultados). Foi uma das experiências mais difíceis. Três provas sem pontuar e agora uma vitória. É incrível. O Sebastien sofreu com a posição na estrada, mas ontem e hoje esteve muito bem”, afirmou. De referir que o champanhe foi aberto pelos dois mecânicos portugueses da equipa de Latvala.

No confronto entre os pilotos nacionais, Miguel Campos (Ford Fiesta R5), que se preparou especialmente para competir no Vodafone Rally de Portugal, foi quem levou a melhor. O piloto do Ford Fiesta foi o primeiro líder da prova e, depois de perder esse estatuto durante a manhã de sexta-feira para Bernardo Sousa (Peugeot 208 R5), acabou por recuperá-lo e manteve a posição até ao pódio final.

Campos terminou com uma vantagem de 7m46,3s sobre Miguel Jorge Barbosa, também em Ford Fiesta R5. Elias Barros (Ford Fiesta R5) completou o pódio luso, numa prova em que algumas das principais equipas portuguesas não chegaram ao fim,

nomeadamente as de José Pedro Fontes (Citroen DS3 R5), Bernardo Sousa (Peugeot 208 R5), Pedro Meireles (Skoda Fabia S2000) e João Barros (Ford Fiesta R5).

rally2rally

António Viamonte Rodrigues (texto e fotos)

Artigo publicado na edição nº 525

Deixe o seu Comentário

Comentário