As sombras eternas

977

Aprendi com Sir Kenneth Sefton Boyd, o amigo do espião perfeito, que não podemos perder o que não temos, nem sentir falta do que nos é indiferente, nem podemos vender aquilo que não é nosso.

Bagão Félix garante que não vai voltar à política porque não gosta de “correr na pista dos interesses”. Desinteressou-se. Já não gosta das elites. Talvez porque, na sua perspetiva, pertence à “elite dos valores”. Elite que se encontra em perigo de extinção como o lince da Serra da Malcata, o lobo Ibérico ou o burro Mirandês.

Em Portugal, afirma Bagão Félix, “as nossas elites são as elites dos interesses”. São do género a que pertencia um bom cabo britânico de Argylls que, logo após a 2ª Guerra Mundial, quando os russos lhe ofereceram baldes de madeira cheios de caviar, em troca dos seus plum puddings, se queixou, no início do jantar ao seu oficial, que a compota lhe sabia a peixe. Pudera!

Contentamo-nos com existir. Existimos a duzentos à hora, mas a vida interior está parada.

Alberto João Jardim afirmou recentemente que Passos Coelho acha prestigiante andar debaixo das saias da sra. Merkel. E até confessou que votou sempre no PSD menos nas últimas eleições. E bem lhe custou. Magoou-o lá dentro. Pudera!

São Paulo, segundo Teixeira de Pascoaes, foi o intérprete de Deus, por divina graça do remorso. O remorso foi transmitido a Judas, companheiro íntimo de Jesus, tão íntimo que o traiu. Pedro, o eleito, negou-o. Pedro sobreviveu. Judas, mais humilde, enforcou-se numa figueira.

Teixeira de Pascoaes acha que o remorso do suposto traidor se converteu em autodestruição. Judas não pôde emendar a iniquidade, como Pedro. “Ofertou a sua vida ao grande crime e o seu nome à inconsciência malévola do mundo. Aquele beijo traidor arde ainda na sombra da noite em que prenderam Jesus.”

Foi também Teixeira de Pascoaes que nos avisou que nem a ilusão tem nada de ilusório, nem a realidade tem nada de real. Mais vale assim. Desta maneira ninguém se magoa.

Por isso é que Alberto João se atreveu a afirmar que se Pedro Passos Coelho ficar no PSD “leva outra banhada”.

Deixe o seu Comentário

Comentário