Orçamento cresce para 38,7 milhões de euros

1244

Vai ser votado hoje pela Assembleia Municipal o orçamento para 2018. Já no passado dia 7 de dezembro, foram aprovados em reunião do Executivo Municipal de Vila Real os documentos municipais que enquadram as atividades a desenvolver ao longo do próximo ano e os recursos financeiros que lhes serão alocados. A aprovação maioritária decorreu dos 7 votos favoráveis dos vereadores do PS e da abstenção dos dois vereadores do PSD.

Sobre este resultado da votação, o presidente do Município, Rui Santos, afirmou que “infelizmente, mais uma vez, apesar de termos solicitado propostas para incluir no Orçamento, elas não chegaram. A oposição limita-se a votar contra, sem propor alternativas. É algo que lamentamos, embora já comece a ser um hábito”.

O Município elaborou um documento claro e completo, em que 99,9% do valor do orçamento, nomeadamente das despesas aí inscritas, estão refletidas nos Projetos e Ações do Plano Plurianual de Investimentos e nos Projetos e Ações do Plano de Atividades Municipal. Esta boa gestão da coisa pública municipal tem permitido ganhos importantes para o concelho e também a criação de uma dinâmica económica e social sem precedentes, no caminho do desenvolvimento e do crescimento.

Rui Santos afirmou “os Vila-realenses disseram claramente que concordam com a estratégia que temos seguido. Sabemos que há questões que temos que aperfeiçoar, mas de uma forma geral consolidaremos o trabalho já realizado e começaremos a ver os frutos reais de vários investimentos em curso.”

A construção dos documentos previsionais para 2018 contou com a colaboração de todas as unidades orgânicas da autarquia. Foram também estabelecidas reuniões com todas as Juntas de Freguesia, de forma a incluir no orçamento municipal algumas das suas pretensões para o próximo ano. “Queremos manter uma estreita e profícua relação com as Juntas de Freguesia, já que representam o órgão de poder local mais próximo das populações”, afirmou o presidente do Município.

Quanto à proposta concreta de Orçamento para 2018, em apreciação, esta apresenta um montante global de 38.700.000 euros, ou seja, um aumento significativo do valor do orçamento em relação ao orçamento inicial de 2017 (30 milhões de euros). Em relação ao orçamento da despesa, é importante destacar que este se divide entre 23.100.000 euros de despesa corrente e 15.600.000 euros de despesa de capital. Esta última apresenta uma subida de mais de 6.600.000 euros em relação ao ano anterior, decorrentes do sucesso da aprovação de candidaturas a fundos comunitários, que significarão a criação de obra física e infraestruturas em prol do futuro de Vila Real e dos Vila-realenses.

A relativa estabilidade da despesa corrente reflete o cuidado do Executivo Municipal ao nível dos consumos intermédios havendo, no entanto, que destacar um aumento com as despesas de pessoal. Este aumento não significa uma contratação suplementar de recursos humanos por parte do Município, mas sim a previsão orçamental do fim do congelamento das carreiras na função pública e de sobretaxas fiscais, levada a cabo pelo governo. Rui Santos terminou afirmando “o ano de 2018 ficará marcado por obras concretas e importantes para o futuro, como a Requalificação da Escola de São Pedro, o lançamento de um novo Pavilhão de Acolhimento Empresarial, a continuação do alargamento do Saneamento Básico ou a requalificação urbana das ruas de Sto. António, D. Pedro de Menezes, D. Afonso III, de Montezelos, da Avenida D. Dinis ou das Urbanizações da Quinta das Hortas e de São Pedro”.

 

Deixe o seu Comentário

Comentário