Entidades públicas e privadas unem-se para debater a saúde da região

985

As I Jornadas de Saúde de Trás-os-Montes e Alto Douro vão juntar entidades públicas e privadas num debate à volta do estado da Saúde na região. A iniciativa, marcada para os dias 25 e 26 de Novembro, em Mirandela, é organizada conjuntamente pelo Hospital Terra Quente (HTQ), Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE), Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e Instituto Politécnico de Bragança (IPB).
Trata-se de um modelo organizativo inédito, visto reunir, pela primeira vez, entidades públicas e privadas numa abordagem conjunta às áreas da Saúde e do Ensino na região. Para tal contribuirá a participação de profissionais de Saúde, investigadores e docentes de Trás-os-Montes e Alto Douro, bem como a presença do Ministro da Saúde, do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e do Secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.
O programa provisório das Jornadas foi apresentado no passado dia 4, em Mirandela, sendo de destacar os painéis dedicados a temas com grande impacto na região. É o caso do envelhecimento da população, da doença da Diabetes e dos Acidentes Vasculares Cerebrais.
Na apresentação do evento, o administrador do HTQ, Manuel Lemos, realçou o espírito de cooperação que caracterizam estas I Jornadas. “Atrevemo-nos a convidar todas estas entidades e tivemos a maior recetividade. Somos a primeira instituição de Saúde privada a funcionar no Interior do País e podemos ser ainda mais complementares ao sistema público. Temos capacidade para receber ainda mais acordos. Desafiem-nos que nós responderemos”, garantiu o responsável.
Para Manuel Lemos, a região só tem a ganhar com a conjugação de esforços entre o serviço privado, o serviço público e a ajuda da investigação que se faz na UTAD e no IPB. “Iremos contribuir, certamente, para diminuir a ida de muitos utentes a unidades de saúde do litoral, melhorando a prestação de cuidados na região”, sublinhou.

Ligação do meio hospitalar ao ensino superior
O presidente da ULS-Nordeste, Carlos Vaz, classifica o envolvimento da componente público-privada como “um sintoma de evolução, pois ambos têm que ser complementares, dado que os problemas e as carências são comuns”.
A mesma opinião tem o presidente do CHTMAD, João Oliveira. “As carências e os problemas são transversais aos dois distritos, pelo que é útil debatermos a capacidade de resposta em conjunto”, sustenta o responsável.
Já o presidente do IPB, Sobrinho Teixeira, salienta a importância das Jornadas na planificação do futuro. “A nossa região tem uma excelente qualidade de vida e quanto melhor for o nosso sistema de saúde, mais condições de atratividade terá este território. Neste aspeto é fundamental uma boa ligação do meio hospitalar ao ensino superior”, realçou.
O reitor da UTAD, Fontainhas Fernandes, tem uma posição idêntica. “Todos sairemos a ganhar com ações em que a Região trabalhe em rede. Certamente que destas Jornadas sairão ideias e projetos para continuarmos a trabalhar em estreita ligação”, frisou.
Dina Carvalho, diretora clínica do HTQ, realçou os temas em debate, por estarem todos voltados para a Região. “Tentamos reunir o que de melhor tem cada instituição, mas como todas têm excelente profissionais, não foi fácil. O facto de nos podermos juntar nestas Jornadas vai reforçar o nosso trabalho e facilitar os contactos entre os profissionais de saúde”, defendeu a médica.
O presidente da Câmara Municipal de Mirandela, António Branco, deu as boas vindas aos presentes e destacou o carácter inédito da organização. “É, de facto, um modelo de organização diferente, com entidades públicas e privadas a cooperarem num objetivo comum”, salientou o autarca.

Deixe o seu Comentário

Comentário