Encerrou na passada sexta-feira a estação dos CTT da Araucária, em Vila Real. O encerramento estava anunciado desde o início do ano, numa altura em que abriram, no concelho, dois postos dos correios, em quiosques particulares.

O serviço acabou por encerrar, apesar do veemente protesto de vários partidos políticos e dos autarcas de Vila Real e da administração a anunciar que apenas fecharia a estação em causa quando estivesse salvaguardada uma “alternativa”.

Na semana passada, os CTT informaram que concluíram a transferência de seis lojas em cinco concelhos do Norte. O objetivo é “manter a proximidade com as populações”. Em comunicado enviado à agência Lusa, a administração dos CTT assegura que “todos os serviços postais, a que se junta o pagamento de vales de prestações sociais e o pagamento de faturas, continuarão como até aqui a ser disponibilizados”. “Cumpre-se o objetivo de manter a proximidade com as populações no decurso do ajustamento da sua rede de retalho”, lê-se na nota.

Em Vila Real abriram dois os novos pontos de acesso: “João Paulo II” e “Quiosque do Sinaleiro”, em funcionamento a 536 e a 718 metros da anterior loja de Araucária. Os CTT aproveitam para assegurar que “estes novos pontos têm horários mais alargados, sendo que o segundo deles está também aberto aos fins-de-semana”.

“Este processo resulta da articulação com diversas autarquias e entidades privadas, com os quais os CTT estabeleceram acordos de parceria que se estendem já a 1.774 postos de correio. A rede de atendimento dos CTT é atualmente composta por um número total de 2.365 estabelecimentos postais [os referidos ‘pontos de acesso’], correspondente a 591 lojas e a 1.774 postos de correio, número este que representa um incremento de 48 estabelecimentos nos últimos quatro anos”, assegura a empresa.