António Zambujo, The Gift e Miguel Araújo no Teatro de Vila Real

547

António Zambujo, The Gift, Miguel Araújo, Companhia Nacional de Bailado, Teatro Nacional D. Maria II, Ensemble, Companhia Paulo Ribeiro, Ao Cabo Teatro e Chapitô são apenas algumas das muitas razões para visitar o Teatro este trimestre. Algumas das razões que fazem de Vila Real um bom sítio para viver ou para visitar.

Na Primavera de 2017, a programação do Teatro de Vila Real não deixa certamente ninguém alheio, na cidade ou na região. As diferentes áreas das artes performativas têm várias propostas irresistíveis.

O teatro é o objecto do festival Vinte e Sete, que entra este ano na sua 13.ª edição, com início ainda em Março. Constituem o programa do festival 6 produções, entre clássicos como Rei Lear ou Electra (este na peculiar abordagem do Chapitô) e criações mais contemporâneas, como as de Visões Úteis e Ao Cabo Teatro. O actor Ángel Fragua estreia no Vinte e Sete uma criação original, paralelamente à sua carreira na Peripécia. Companhia que, aliás, apresenta também um novo espectáculo a meio de Junho. Ainda nesta área destaca-se a peça As Criadas, no âmbito da Rede Eunice, promovida pelo Teatro Nacional D. Maria II.

Outra estrutura nacional passa por Vila Real neste período. Trata-se da Companhia Nacional de Bailado, no âmbito da digressão que comemora os seus 40 anos. Quatro coreografias marcantes na história da CNB constituem o programa a apresentar a 27 de Maio. Mas a dança tem outros dois momentos no trimestre, o primeiro precisamente no Dia Mundial da Dança, com a novel companhia Kale, que traz duas peças do coreógrafo israelita Eldad Ben-Sasson. No início de Junho, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta a bonita criação Ceci N’Est Pas Un Film – Dueto Para Maça e Ovo.

O cinema inclui um documentário sobre a CNB, as sessões do Shortcutz e quatro filmes da cinematografia independente de qualidade, incluindo o vencedor do Oscar para Melhor filme Estrangeiro, a nova realização de Kusturika e o poderoso filme de Ken Loach Eu, Daniel Blake.

Há também cinema na 2.ª edição da MAPI – Mostra de Artes Para a Infância, que este ano apresenta 12 iniciativas ao longo de oito dias. Decorre em volta do Dia Mundial da Criança, de 30 de Maio a 6 de Junho.

O humor ocorre em vários momentos da programação, mas tem alguns pontos onde é condição obrigatória: sessões de stand up comedy no Café-Concerto e a actuação de Salvador Martinha em Tipo Anti-Herói.

O Café-Concerto continua dedicado à revisitação de música ou instrumentos tradicionais, com quatro novos projectos estimulantes, um deles, Port do Soul, fundado pelo vila-realense Acácio Barbosa. A música tem ainda alguns artistas carismáticos a marcar o trimestre: António Zambujo, The Gift e Miguel Araújo, todos com novos discos.

Deixe o seu Comentário

Comentário