Acidentes com tratores causaram 28 mortos e 12 feridos graves desde janeiro

1171

A Guarda Nacional Republicana (GNR) registou desde o início do ano 28 mortos e 12 feridos graves em Portugal continental devido a acidentes com tratores agrícolas, segundo dados facultados hoje à agência Lusa.

Coimbra foi o distrito com mais mortes nestes cinco meses (cinco), seguido de Braga (quatro), Leiria, Viseu e Castelo Branco (três mortos cada um), Beja, Bragança, Lisboa e Santarém (dois mortos cada um). Os distritos de Viana do Castelo e Vila Real registaram um morto neste período, perfazendo as 28 vítimas mortais, todas com idades acima dos 60 anos.

A GNR assume estar “muito preocupada” com este flagelo, que em média, desde janeiro, provocou quase seis vítimas mortais por mês, e apela aos agricultores para que adotem comportamentos de segurança.

A maioria dos acidentes acontece por capotamento do trator, tendo como consequência o esmagamento do condutor: “O ‘arco de Santo António’ poderia ter salvado muitos, se fosse usado na altura do acidente”, alerta a GNR, referindo-se à barra de ferro em forma de U invertido que pode ser colocada no trator, sobre a cabeça do condutor, mas não é obrigatória.

Em caso de capotamento, esta estrutura pode impedir o esmagamento do condutor.

A GNR apela a que os agricultores não conduzam sob o efeito do álcool, fadiga ou com excesso de velocidade, pede para que sejam respeitados os limites do trator, não o sobrecarregando, e frisa que transportar passageiros ‘à pendura’ é “proibido e perigoso”.

Deixe o seu Comentário

Comentário